CLS do Brasil – Artigo Fevereiro 2021

Damos boas-vindas à Adriana Martello Valero que assumiu, a partir de 20 de janeiro de 2021, nossa diretoria na Região Sul.
22 de janeiro de 2021
Live em 23 de fevereiro às 19 horas sobre Liderança 6.0
9 de fevereiro de 2021
Mostrar Tudo

CLS do Brasil – Artigo Fevereiro 2021

O retorno às empresas e suas implicações

Em Março do ano passado, muitos funcionários foram postos para trabalhar em casa de uma hora para outra. Na sua grande maioria, sem estrutura. As áreas de Recursos Humanos e Tecnologia agiram rápido e o home office forçado tornou-se a alternativa mais segura e revelou-se eficaz. O momento exigiu muita flexibilidade, humildade para reconhecer que não tínhamos todas as respostas diante do cenário inesperado e uma grande capacidade de adaptação. E conseguimos!

Há alguns meses, cidades e estados têm praticado a flexibilização e a retomada gradual das atividades econômicas. Muitas organizações têm trazido os funcionários que estavam em home office de volta para os ambientes físicos das empresas. Quais as implicações deste retorno? É sobre isso que vamos refletir neste artigo. Boa leitura!

O líder situacional e a nova realidade

O modelo Liderança Situacional® é atual e eficaz exatamente por ser situacional. O líder situacional está atento às mudanças, que sempre geram dúvidas e inseguranças. Adotar o esquema home office de repente foi uma grande mudança. Quando a situação já estava razoavelmente sob controle, outra grande mudança: o retorno às empresas. E de forma completamente diferente de antes da pandemia! O que acontece com as pessoas nesta nova realidade? Novas dúvidas e inseguranças, além do medo da contaminação. Isso pode influenciar a capacidade de concentração, a motivação e acarretar queda de produtividade.

De acordo com o modelo Liderança Situacional®, toda situação nova pede um novo diagnóstico e um ajuste de comportamento do líder, de forma a adotar as ações mais adequadas ao momento, aquelas que mais ajudarão seus liderados e times a alcançarem os resultados desejados. Neste momento de retorno, líderes devem manter-se atentos aos sentimentos de seus colaboradores e mostrar abertura para conversar e apoiá-los em suas necessidades.

Para as equipes que estão regressando gradualmente a trabalhar nas empresas, a volta vai surpreender. Muitas adaptações são necessárias para um retorno seguro: uso de máscara e álcool em gel, o novo layout das áreas, a necessidade de higienização constante dos materiais e equipamentos, as novas regras nos espaços comuns e compartilhados, os sistemas de rodízio, os cuidados no trajeto para a empresa e de volta para casa, entre outras. Ou seja, para esta nova realidade, novos hábitos e novo comportamento. Para orientar a todos, são necessárias sessões de treinamento, capacitação, conscientização e atualizações constantes. Será praticamente um novo onboarding.

Neste cenário, alguns papeis das áreas de Recursos Humanos são:

  • Cuidar, fornecendo os equipamentos de proteção necessários;
  • Treinar, informando sobre a necessidade das novas medidas;
  • Comunicar constantemente, reforçando a importância de adotar os novos hábitos e o novo comportamento, visando a segurança de todos.

Comunicação e orientação constantes para a adoção de novos hábitos!

Reflexões sobre o retorno

A pandemia não acabou. A situação ainda requer muito cuidado e atenção. Portanto, propomos a seguinte reflexão: “É realmente necessário voltar para o ambiente da empresa? O fato do colaborador trabalhar de casa ou na empresa fará diferença? Estamos sendo empáticos? E os funcionários que estão inseridos nos grupos de risco? E os que têm filhos pequenos e moram com mães e avós idosos? Em que condições emocionais irão trabalhar?”

A empresa pode tomar todas as precauções possíveis mas, e o trajeto? As pessoas têm que se locomover nas ruas, usar transporte público, que nem sempre obedecem às recomendações. O home office já provou sua eficácia. Então, por que voltar a trabalhar de forma presencial e correr riscos? E as empresas que forneceram incentivos financeiros para que os colaboradores comprassem mobiliário adequado e melhorassem as suas conexões de internet? O que fazer quando eles retornarem para o ambiente da empresa? Estes são alguns aspectos importantes a serem analisados.

Aprendizados para sempre

A pandemia nos ensinou a trabalhar em casa conciliando todas as rotinas envolvidas. Com a ajuda das ferramentas de tecnologia, líderes aprenderam a gerenciar suas equipes remotamente, preservando o relacionamento e os resultados. Os que utilizavam o esquema comando e controle, facilitado pela proximidade física, adotaram o esquema delegação e confiança. Afinal, as pessoas estavam trabalhando em casa, com familiares no mesmo ambiente e acesso a informações confidenciais da empresa.

Independente do time trabalhar presencialmente ou remotamente, alguns comportamentos dos líderes provaram ainda mais sua importância:

  • Acompanhar o estado emocional e a execução das tarefas, mantendo-se aberto ao diálogo, elogiando os progressos e corrigindo possíveis desvios;
  • Promover a união do time através de metas coletivas, fomentando o sentimento de pertencimento, com reuniões periódicas e eventos para celebrar as conquistas;
  • Ser um embaixador da cultura e dos valores da empresa, ressaltando exemplos de comportamentos aderentes aos mesmos;
  • Comunicar sempre, usando empatia e escuta ativa, atentos aos discursos verbal e não verbal, deixando claro para o time que está próximo e que pode contar com o seu apoio.

Estes são comportamentos essenciais para uma liderança eficaz, que promove o desenvolvimento de pessoas e equipes, levando-as a altos desempenhos e, consequentemente, ao alcance das metas estabelecidas!

 

Quer conhecer melhor o modelo Liderança Situacional® e nossos outros programas?

O CLSB se reinventou e tem condições de ministrar todos os programas de forma virtual.

Visite nosso site: www.situational.com.br e entre em contato conosco!